Pular para o conteúdo principal

Roubaram-nos as avós!

A avó de cabelos brancos e óculos na ponta do nariz que faz tricot e traz um xaile às costas desapareceu... É uma imagem ultrapassada, já repararam?

Apercebi-me deste facto de uma forma caricata quando, há alguns dias atrás cantei à minha filha (como em tantos outros dias desde que ela nasceu) a mesma canção que a minha avó me cantava para eu adormecer... Começava assim:

'De mãos enrugadas, já trementes 
com as lunetas sobre o nariz
A minha avozinha, já sem dentes,
contava histórias que me faziam feliz'

A ideia de uma avó de mãos enrugadas e trementes fez-me, de repente, confusão... Pensei na minha mãe (cheia de energia para dar e vender), agora avó e apercebi-me que a letra desta canção não deve fazer sentido nenhum na cabeça da minha filha! Afinal, a avó dela (a minha mãe) não é de todo assim... Ou seja, o conceito de avó que hoje ela tem é, com certeza, muito diferente do meu...

A verdade é que esta 'avozinha' de mãos enrugadas, trementes e sem dentes já não existe... pelo menos no nosso mundo! 

- As avós de hoje em dia são enérgicas, bonitas... novas! - pensei eu enquanto continuava a cantar.

Novas?! Mas... Antigamente, no tempo da minha avó, as mulheres tinham filhos cedo. Muito mais cedo do que hoje. Sem dúvida alguma, a maioria tinha o primeiro filho aos vinte ou vinte e poucos anos (no máximo). Ora, muito provavelmente as suas mães teriam tido o seu primeiro filho mais ou menos com a mesma idade (ou até mais cedo), logo seriam avós entre os 40 e os 45 anos, no máximo.

Hoje, se as mulheres adiam a maternidade para bem mais tarde  (a maioria tem o 1º filho na casa dos 30, 35 anos - ou seja, cerca de 15 anos mais tarde do que 'era costume') não acham que as avós deveriam parecer ainda mais velhas do que 'dantes'? Mas não parecem! Em termos de idade até o podem ser... mas o aspecto não é de todo o de uma avó (ou pelo menos de uma avó do meu tempo)!

A verdade é que o aumento da esperança de vida roubou-nos as avós! Roubou-nos as avós desdentadas, de mãos trémulas e bengala. Hoje, temos avós dinâmicas, que fazem exercício, mantêm vidas activas e, apesar de continuarem a fazer comida e bolos deliciosos (ainda bem que alguma coisa ainda é o que era) são quase a antítese do que era ser avó na minha infância. 
O conceito de avó de cabelos brancos, mãos trémulas e bengala - se pensarem bem - encaixa muito melhor nas bisavós de hoje...

Em Portugal, actualmente, a esperança média de vida de uma mulher é de 82,6 anos (81,7 anos na Europa)! E isto é apenas uma 'média'... 
Lembram-se quando víamos os turistas ingleses e franceses, já reformados, e ficávamos espantados com a sua vitalidade? Pois... agora cá também é assim! E ainda bem...
Os nossos filhos ficaram a ganhar: agora têm avós e bisavós!!

Mas, sabem que mais? Apesar de tudo, vou continuar a cantar a mesma canção à minha filha... porque algumas coisas ainda são o que eram...!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguém responda à minha filha, por favor!

As crianças de hoje, fruto da muita informação com que são bombardeados diariamente, têm cada vez mais argumentos para desconcertar pais indefesos... Ora vejam este exemplo... A minha filha de sete anos ainda não adormece sozinha. Eu sei que a culpa também é minha... afinal, sempre a habituei a adormecer com companhia. Depois da leitura de uma história, ou eu ou o pai ficávamos no quarto, junto à cama dela, até que adormecesse. 
Foi essa a rotina durante anos.
Mas, desde há algum tempo, que estou a tentar que, depois da leitura da história, ela fique sozinha no quarto e que seja capaz de adormecer sem companhia. 
Ela resmunga sempre. Todas as noites. 
O pior é que o processo demora algum tempo porque nos chama dez vezes (chamada a que respondemos sempre para que sinta que estamos por perto) e pede, com voz meiga, para ficarmos lá 'só um bocadinho'. Acaba por adormecer, fruto do cansaço. Às vezes, o cansaço é nosso e acabamos por ceder e ficar lá o tal bocadinho que tanto nos …

Soltar os dedos...

Há já alguns anos que escrevo um blog, com algum sucesso na internet: o FicarGravida.com. O público confia na informação veiculada e, por isso, a responsabilidade é enorme! Não escrevo uma só linha do FicarGravida.com sem fazer uma pesquisa prévia, em literatura científica, para que a informação seja verosímil e correta!
Dessa forma, tenho conquistado o respeito e a confiança dos internautas.
Mas por maior que seja o prazer (e o orgulho) que tenho em ser a autora do FicarGravida.com, por vezes, tenho uma vontade enorme de escrever livremente... Vontade de deixar os dedos correr as teclas do computador, sem barrreiras, sem imposições.... Foi essa a razão que me fez criar este blog: 'Um blog para dizer o que me apetece'!
Aqui não vai haver um tema!  Aqui não existirão fronteiras!  Vou falar de tudo o que me apetecer, de tudo o que me der na cabeça: falarei de tudo e de nada... Porque a vida é feita de pequenos nadas. E de tudos.  Tudo o que importa.
Gostava de contar convosco …